Problemas mais comuns na pele

Problemas mais comuns na pele

Problemas mais comuns na pele ESTETICA
Acnes

Acne é o resultado do acúmulo de impurezas produzidas pelas glândulas sebáceas e que a derme não consegue expelir. O sebo, como é chamado esta impureza, entope os folículos da pele, causando uma pequena infecção. Nos casos mais graves, a acne atinge não só o rosto como todo o restante do corpo, de forma mais evidente nas costas, peito, rosto e cabeça.

Este não é o único fator a causar a incidência de cravos e espinhas. Outros fatores determinantes são a oleosidade da pele e a hereditariedade, na qual, se o pai ou a mãe possuem acnes, certamente seu filho também possuirá.

A acne está presente em todas as fases da vida, mas surgem com maior intensidade na adolescência. Cerca de 85% dos adolescentes possuem acne.

Leia também: Problemas de pele

Os dermatologistas classificam a acne em quatro graus:

Grau 1: pele oleosa com cravinhos;

Grau 2: pele com cravos e espinhas;

Grau 3: pele com cravos, espinhas, nódulos e cistos;

Grau 4: pele com cravos, espinhas, nódulos, cistos e cicatrizes.

Cuidar da limpeza do rosto é uma ação simples e que ajuda muito a prevenir e controlar a incidência de acnes. Você pode realizá-la em casa através do uso de sabonete neutro, ou se a pele for muito oleosa, sabonete a base de enxofre, três vezes ao dia (manhã, tarde e noite) e sabonete cremoso com sílica ou polietileno para esfoliação, uma ou duas vezes por semana, além de cremes e gel indicados para o tratamento. Caso você necessite de ajuda especializada, poderá procurar uma clínica estética para que esta cuide de todos os procedimentos de limpeza da pele.

Porém, para os casos classificados como grau 3 (pele com cravos, espinhas, nódulos e cistos) e grau 4 (pele com cravos, espinhas, nódulos, cistos e cicatrizes), é necessário o acompanhamento médico. O dermatologista vai orientar qual o melhor tipo de tratamento para cada problema.

Para a sua segurança, jamais use remédios indicados por amigos ou outras pessoas que não sejam profissionais capacitados.

Dicas importantes:

1) Não cutuque, não coce e não esprema. Você pode ficar com marcas e cicatrizes;

2) Não aplique substâncias estranhas. Pode até piorar a situação com a ocorrência de uma reação alérgica;

3) Evite o sol. Pode dar a impressão que melhora a pele e seca as espinhas. No entanto, o sol estimula as glândulas sebáceas que podem causar o aumento de sebo;

4) Não lave a pele em excesso. Não use bucha, escova. Você vai estimular ainda mais a produção de sebo;

5) Evite cremes gordurosos, pois aumentam a oleosidade da pele, contribuindo para piorar o quadro. Dê preferência a cremes em forma de gel.

Rosácea

Rosácea é uma doença inflamatória crônica que provoca vermelhidão, pequenas borbulhas e ruptura dos vasos sanguíneos, geralmente na região central do rosto. Encontradas principalmente em homens, entre 30 e 50 anos de idade, verifica-se por um espessamento na pele, particularmente em volta do nariz. Em alguns casos, podem aparecer no tronco, braços ou pernas.

A sua causa é desconhecida, porém, sabe-se que ocorre na idade adulta e com mais frequência em pessoas de pele clara. Vários fatores têm sido apontados como causas da rosácea como predisposição genética, doenças gastrointestinais, hipertensão, fatores psicogênicos como o estresse psicológico. Há também, alguns agravantes que tendem a acelerar o processo da rosácea, como bebidas muito quentes, bebidas alcoólicas, luz ultravioleta, frio intenso, medicamentos vasodilatadores, entre outros.

Ainda não se conhece um tratamento curativo para esta doença. O programa terapêutico varia com o estágio e a gravidade da doença, tendo uma ação efetiva mais direta, os agentes antimicrobianos. A pele do paciente com rosácea é extremamente sensível a produtos químicos como sabões, higienizadores, adstringentes, abrasivos e peeling.

Como a radiação ultravioleta é um desencadeante importante, é fundamental enfatizar o uso de filtros solares cotidianamente no rosto, escolhendo o produto mais adequado para cada tipo de pele.

A melhor forma de cuidar deste problema é fazendo uso das ações preventivas como o afastamento de todos os agravantes ou desencadeantes citados acima, além dos usos de cremes para fins cosméticos e fotoprotetores como os bloqueadores solares.

Milium

Conhecidos também como “cistos sebáceos” são resultados do entupimento do canal excretor das glândulas sebáceas, na qual a gordura secretada se acumula formando o cisto.

Normalmente são lesões esféricas, indolores, de consistência elástica ou endurecida que variam de pequenos cistos, menores que um centímetro, até grandes cistos do tamanho aproximado de uma jabuticaba, ocorrendo principalmente no rosto, couro cabeludo, pescoço e tronco.

Muitas pessoas tentam resolver o problema apertando o milium como se fosse uma espinha. Este tipo de procedimento não é recomendado por não conseguir tirá-lo completamente. A gordura do milium é extremamente resistente e pressioná-lo de maneira incorreta, pode infeccionar deixando marcas na pele.

A melhor maneira de retirá-lo é através de uma intervenção médica com uma micro incisão para a remoção do cisto e da cápsula que o envolve. Este procedimento pode ser realizado em um consultório, podendo deixar ou não uma pequena cicatriz no local. A permanência da cápsula ou de um fragmento dela pode ser responsável pelo retorno da lesão.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *