Terçol: conheça os tratamentos e as causas

Medidas simples de higiene, tais como lavar as mãos e evitar coçar os olhos ajudam a evitar a infecção

Bactérias da mão podem ser transferidas para o olho e causar o terçol.

O terçol é caracterizado pelo entupimento de uma glândula localizada na pálpebra. Este bloqueio causa infecção aguda na parte inferior ou superior dos olhos e pode durar de 2 a 5 dias. Segundo o Dr. Gustavo Serra, oftalmologista do Visão Institutos, em Brasília, após este período, o caso pode ser mais sério.

É comum confundir o terçol com uma espinha facial, pois os sintomas são bem parecidos: dor, principalmente ao piscar, incômodo, vermelhidão e até calor na região. Entretanto, a primeira atitude é procurar um oftalmologista que vai analisar cada caso e indicar a melhor forma de tratamento.

Tratamentos
De acordo com Gustavo, o tratamento costuma iniciar no segundo dia e dura de duas a três semanas. “O tratamento consiste em aplicar calor local para dilatar essa glândula que está entupida e liberar a secreção. Geralmente passamos uma pomada com antibiótico para evitar uma infecção secundária, mas se depois de 4 semanas não der certo com antibiótico, pomada, compressa ou corticoide, a gente indica a cirurgia”, explica.

Leia também: Terçol prevenção

A cirurgia é indicada apenas em último caso, mas para evitá-la o especialista reitera que é preciso procurar um especialista ao menor sintoma de terçol, pois há o risco dessa “glândula entupida inflamar e progredir. A região pode até parar de doer e mesmo assim ter um processo de fibrose nessa região após a glândula ser petrificada. Neste caso, apenas cirurgia resolverá o problema”, alerta Gustavo.

Outro risco é uma infecção secundária, comumente chamada de celulite ocular. “Quando essa infecção não consegue ser controlada, pode se expandir para a parte interior ou exterior do olho. Aí é uma infecção mais grave”, ensina. O médico também explica que, após o tratamento, é comum o paciente voltar a ter terçol. “Nessa região existem de 30 a 40 glândulas, então é muito comum um paciente tratar uma glândula inflamada e depois de 2 ou 3 semanas o terçol voltar, por que aí ele volta em outra glândula”, explica.

É possível prevenir
O oftalmologista cita alguns fatores que podem causar o terçol. Segundo ele, quem tem a pele um pouco mais oleosa ou que tem patologias como a rosácea, têm mais chances de contrair o terçol. Colocar a mão no olho ou coçá-lo com frequência também é perigoso, alerta.

“Você tem uma flora bacteriana específica no olho, e a mão é o local mais sujo do nosso corpo, quando você coça, pode transferir as bactérias da mão para o olho, inflamando aquela região”. Por esta razão, é possível prevenir o terçol com medidas simples de higiene, lavando sempre as mãos, além de visitar um oftalmologista anualmente. “Desta forma, a gente consegue analisar algumas patologias que são fatores de risco para ter terçol e preveni-lo da melhor maneira”, finaliza o especialista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *