Varizes podem causar trombose?

A trombose venosa, por definição, é a presença de um coágulo dentro de uma veia. Pode ser superficial, quando o coágulo está em uma veia localizada logo abaixo da pele, ou profunda, quando a veia acometida está no meio dos músculos das pernas ou dentro da barriga. Várias condições, como as varizes, podem estar envolvidas para que esse problema surja.

Varizes e obesidade facilitam desenvolvimento de trombose
“A presença de varizes de membros inferiores, como fator isolado, é considerado de baixo risco para o desenvolvimento de trombose venosa profunda. Mas, se associado a outros fatores, pode contribuir para desencadear a trombose”, afirma o angiologista Breno Caiafa, presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro.

Entre os fatores citados pelo médico estão obesidade, idade superior a 60 anos, imobilidade ou mobilidade reduzida, história prévia de trombose venosa profunda e algumas condições cirúrgicas e clínicas, como doenças crônicas e câncer. “A formação do coágulo ocorre por fatores como lesão da parede interna da veia, dificuldade do sangue circular (estase) e o aumento da viscosidade sanguínea”, informa o profissional.

Leia também: Varicell reclame aqui

Tratamento das varizes previne surgimento de trombose
Segundo o especialista, o tratamento das varizes deve começar precocemente para impedir a progressão da doença para estágios mais avançados, em que o risco de trombose e úlceras é maior. “Em alguns casos, como em cirurgias ou internações prolongadas, a prevenção da trombose deve ser realizada, com o uso de anticoagulantes em baixas doses, assim como o tratamento e o afastamento de todos os fatores de risco”, explica Caiafa.

A busca rápida por tratamento é essencial para prevenir os riscos da trombose, como embolia pulmonar e sequelas nas pernas, já que mesmo que a trombose fique quieta em seu lugar, as veias podem ser prejudicadas. Como consequência, a perna afetada pode ficar inchada e escura e, com o passar dos anos, podem aparecer feridas, que constituem a síndrome pós-trombótica.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *